Seguidores do blog... Adoro!!

terça-feira, 13 de setembro de 2016

Quadro sensorial para bebê

Brincadeiras sensoriais são importantes para bebês e crianças, pois com elas estimulamos os 5 sentidos: visão, audição, paladar, tato e olfato. 

As crianças que tem contato com essas atividades aprendem e desenvolvem os sentidos através da exploração, investigação e criatividade. Falando o português bem claro: aprendem brincando. 

E assim, normalmente compramos brinquedos  que são tão caros pra eles brincarem mais com a caixa né!?

Então segue uma dica fácil e divertida que vai estimular principalmente o tato com suas texturas e cores diferentes. É o quadro sensorial.
Você vai precisar de:
- Papelão (pode ser a tampa de uma caixa de sapato ou similar)
- Cola quente
- Objetos com texturas e cores diferentes (exemplos: papel laminado, plastico bolha, tampinha de garrafa, pedaço de tecido, esponja, canudinhos coloridos)

O interessante é mixar os materias, uns macios outros mais firmes por exemplo. Usando a cola quente cole bem os itens no seu quadro de papelão. Deixe secar bem, o ideal é 24hs, depois certifique-se que estão bem colados para que não ocorra nenhum acidente enquanto seu bebê esteja brincando.

É uma ótima oportunidade para brincar e conversar com seu bebê, mostrando o "quadro sensorial', onde imediatamente a curiosidade vai tomar conta. Você vai mostrando e falando sobre o que ele esta tocando e sentindo. Palavras chaves como: "fofo", "macio", "áspero" são usadas para descrevermos cada item.
Espero que esse quadro facil de fazer, ajude seu bebê explorar os sentidos de uma maneira divertida ;)

Fonte: blog de uma mãe australiana http://laughingkidslearn.com/. Bem legal ;)

terça-feira, 7 de junho de 2016

Hora de estudar

Os sete erros que alunos cometem na hora de estudar

Conheça atitudes que devem ser eliminadas da rotina escolar
(Texto Denise Pellegrini e Iana Chan)

Um bom desempenho escolar não exige grandes sacrifícios, apenas disciplina.
Um novo ano letivo é a deixa perfeita para colocar sua vida escolar nos eixos. Primeiro é preciso fazer um planejamento de estudos. Com ele, você será capaz de dormir bem, ter tempo para o cinema com amigos e, de quebra, passar de ano tranquilamente. O problema é que na hora de seguir seu planejamento, muitos erros podem fazer com que o tempo dedicado seja improdutivo e tudo vá por água abaixo.
Conheça os principais deslizes que costumam atrapalhar e saiba como driblar as armadilhas.

1. Ignorar os próprios ritmos
Se você acha difícil acordar cedo, não reserve as primeiras horas da manhã para o estudo, pois seu livro vai se transformar num travesseiro. Não adianta fazer um plano que não esteja adaptado ao seu ritmo. "Quando o estudante não cumpre o que planejou, a autoestima vai lá para baixo e leva junto o rendimento", afirma a psicóloga Adriana Machado.

2. Abusar dos estimulantes
Entupir-se de café para ficar acordado e poder estudar pode ser um grave erro. "Para pessoas saudáveis, uma xícara de café feito na hora, até quatro vezes ao dia, funciona como estimulante", diz Fernando Gomes da Rocha, professor de Medicina da Unesp. "Mas em grandes quantidades dificulta a concentração."

3. Só estudar
Passar noites em claro resolvendo equações não faz de ninguém um bom aluno. Sem pelo menos 6 horas de sono por dia, grande parte do que você estudou vai embora pelo ralo. "Um tempo reservado para relaxar e jogar conversa fora tem um efeito poderoso para reerguer o ânimo", garante a pedagoga Teresa Rego.

4. Forçar a barra
Sem motivação você não alcança sucesso nos estudos. Querer realmente aprender o que está à sua frente é meio caminho andado. "O adolescente já é capaz de perceber que a escola e o estudo não envolvem só momentos de prazer, mas também esforço e compromisso", analisa a pedagoga Teresa Rego.

5. Passar por cima das dúvidas
Se você não entendeu algo, pergunte a quem saiba. "Para compreender certas situações usamos conhecimentos adquiridos em diferentes momentos", lembra Maria Bernadete Abaurre, coordenadora do vestibular da Unicamp. "Quando você menos espera, um conceito não compreendido em Biologia aparece em uma aula de Química."

6. Dispersar-se
Se a irmã está cantando, o pai ouvindo rádio e a mãe vendo TV, não há quem consiga estudar. "Coisas assim nem sempre impedem o estudo, mas vão fazer com que o aluno leve 1 hora para concluir o trabalho que faria em 20 minutos", alerta Adriana Machado, do Serviço de Psicologia Educacional da USP.

7. Adiar tudo

Não caia na armadilha de adiar o estudo na crença de que ainda tem bastante tempo. "É comum o aluno deixar para estudar depois porque sempre encontra coisas mais “importantes” a fazer, como dar banho no cachorro", diz Teresa Rego, professora da Faculdade de Educação da USP. Quando isso acontece, as tarefas se acumulam e fica impossível dar conta de tudo.

terça-feira, 31 de maio de 2016

Educação Física para as crianças

Qual a matéria que você mais gosta?
Se fizermos essa pergunta aos nossos filhos, muito provavelmente a Educação física está entre as preferidas. Além de divertido é muito importante, vejam:

O que se aprende na Educação Física



Educação Física não é só recreação e jogo de bola. Conheça as lições que é possível tirar da disciplina.
Além dos benefícios físicos da prática esportiva, a Educação Física pode desenvolver competências e habilidades sociais.

Pelé, Romário, Ronaldo, Zico, Hortência, Oscar, César Cielo, Bernardinho, Marta, Guga... Quem não sonha em ser um atleta peso-pesado? Ou em ter um campeão desses na família? Mas não é apenas de medalhas de ouro e prata que o esporte é feito. Pesquisas mostram que apenas 0,26% da população tem aptidão para se tornar esportista de renome. Mas nem por isso a Educação Física deve ficar de escanteio. As aulas aplicadas na vida escolar das crianças e jovens brasileiros podem não fazer ídolos esportivos, mas desenvolvem muitas habilidades importantes.

Desde o Ensino Infantil até o fim do Ensino Médio as aulas de Educação Física fazem parte do cotidiano dos alunos das escolas públicas e privadas do Brasil. Para a maioria das pessoas, o tal senso comum, a finalidade única da disciplina é fazer exercícios e ensinar regras de diferentes modalidades de esportes. Mas é muito mais do que isso. Além dos benefícios físicos da prática esportiva, a Educação Física pode desenvolver competências e habilidades sociais, psicológicas, motoras e cognitivas!

Na Escola da Vila, em São Paulo, por exemplo, faz parte do plano pedagógico de Educação Física transmitir por meio das atividades valores éticos. "Nosso trabalho é voltado para práticas que, além de melhorar funções metabólicas, e de conscientizar os alunos da importância do cuidado com o corpo, procuram desenvolver um senso de coletividade buscando uma convivência solidária e positiva", diz Washington Nunes, Coordenador de Esportes.

Essa concepção do ensino de Educação Física parte de um conceito que entende o ser humano como um animal estruturado por corpo, razão e emoção. Em consonância com essa filosofia, a UNESCO - organização de cultura, Educação e ciência das Nações Unidas - estabeleceu quatro pilares que devem fundamentar a Educação: aprender a conhecer, aprender a fazer, aprender a conviver e aprender a ser. "Uma boa Educação deve ensinar o aluno a aprender, a agir e a se relacionar. Precisa englobar esses 4 pilares da UNESCO. E isso vale para qualquer disciplina, inclusive a Educação Física", diz Alcir Ferrer, professor de Educação Física e treinador de basquete juvenil do Club Athletico Paulistano, de São Paulo.


Curta também no facebook: https://www.facebook.com/Maenainternet



terça-feira, 24 de maio de 2016

O que fazer quando a criança pede opinião para tudo?

Achei interessante e resolvi compartilhar. Afinal, boas dicas devem ser compartilhadas.

Seu filho é inseguro? Ele pede sua opinião para tudo - da escolha das roupas às brincadeiras?

Veja como ajudá-lo a ser mais independente.


Sua preocupação é pertinente, já que a criança provavelmente sofre quando tem de se posicionar. "Isso, porém, não significa que os pais devem simplesmente escolher pelo filho para aliviar seu sofrimento. É preciso que ele desenvolva a capacidade de tornar-se autônomo.

O papel deles é apoiar, tranquilizar e orientar", pontua Ana Paula Magosso Cavaggioni, psicóloga da Clia Psicologia e Educação, em Santo André (SP).

O primeiro passo para entender o que está por trás de um comportamento tão inseguro, segundo Rosimeire de Oliveira, psicóloga e mestre em neurociência e cognição, de São Paulo, é uma análise crítica dos próprios pais. Eles não toleram erros (deles mesmos ou da filho)? A escola é muito rígida e cobra alto desempenho? "As causas mais comuns para baixa autoestima nessa idade são comparações negativas com outras crianças, pais que não são afetuosos, bullying e supervalorização da aparência", aponta Rosimeire.

A seguir, atitudes simples a ser adotadas pelos pais que podem ajudar a criança a desenvolver autonomia.

Quando ele não conseguir escolher uma sobremesa, por exemplo, digam qual é a favorita de cada um e incentivem o pequeno a provar várias até descobrir a dele. É importante que ele saiba que as escolhas podem ser revistas e aprimoradas com o tempo.

Se ele está em dúvida entre duas roupas, experimentem fazer uma análise leve: "Essa é mais alegre, essa é mais séria. Como você está se sentindo hoje?" Digam que os dois são lindos e que ele pode escolher um em um dia e o outro no seguinte. Assim, a criança percebe que a escolha é dela, mas que os pais ficarão igualmente felizes, independentemente de qual ela usar.

"Que desenho faço agora?" Nesse caso, podem dizer que o mais importante é se divertir com a atividade. Tirar o peso da escolha de coisas simples do cotidiano aliviará a angústia.

Peçam a ajuda da criança para as questões do dia a dia na casa, alegando que vocês estão em dúvida. Que tal pedir a opinião dela sobre onde pendurar um quadro ou colocar o vaso novo?

Há decisões que podem ser tomadas apenas pelos adultos, como a hora de dormir e estudar. Elas não devem ser repassadas à criança, sob o risco de deixá-la mais insegura. O excesso de alternativas também deve ser evitado para que não se sinta confusa.
Para Ana Paula, o comportamento pode ser consequência de uma das fases do desenvolvimento, que, como as outras, passará. "Se a pulga atrás da orelha persistir e a indecisão estiver presente de forma intensa, causando sofrimento à criança, é necessário buscar ajuda e orientação de um psicólogo", pondera.



Curta " A Mamãe tá na Internet" também no facebook: https://www.facebook.com/Maenainternet

segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

Bolo de Cacau

Que tal substituir o achocolatado por cacau? 

Vou postando receitas de bolos que podemos fazer em casa, que podemos congelar inclusive e facilitar nossa vida na hora do lanche. 

As minhas não tem nenhum tipo de intolerância (lactose, glúten, etc) por isso cada um vai alterando os ingredientes de acordo...

Congelamento/ descongelamento: o bolo pode ser congelado, embale e extraia o ar, etiquete e congele por até 3 meses. Descongele em temperatura ambiente sem retirar da embalagem.
Receita bolo de cacau

Massa

  • 2 xícaras de farinha de trigo Integral ou Branca.
  • 1 xicara de açucar mascavo
  • 1/2 xicara de cacau em pó
  • 1 ovo (caipira)
  • 1/2 xicara de óleo
  • 1 xicara de leite ou água morna
  • 1 colher de sopa de fermento em pó

Opcionais

  • Nozes
  • Castanhas
  • Passas

Para untar e esfarinhar a forma

  • 1 colher de farinha
  • 1 pitada de cacau
  • Manteiga ou óleo

modo de preparo

Colocar ingredientes secos e peneirados na tigela, menos o fermento (Farinha, açúcar, cacau em pó), misturar com a colher, abrir um buraco no meio e colocar os líquidos (ovo, óleo, leite ou água)

Misturar bem com a batedeira, todos os ingredientes até ficar homogêneo. Colocar o fermento e misturar de leve até incorporar.
Se quiser pode colocar as castanhas, nozes ou passas picados e misturar para incorporar.
Misturar uma colher de farinha com uma pitada de cacau, untar a forma e esfarinhar com a mistura.
Assar por 40/45 min. em forno pré aquecido, a 180 graus.




Quando fui tirar a foto já estava pela metade, mas tá valendo!



Fonte: ReceitaMelhor Bolo Caseiro do Brasil, site globo/2014.


quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

Vermes, quando dar o remédio e pra quê?

O que é verminose?

Verminoses são mais comuns do que se imagina, tanto em crianças quanto adultos. Mas medidas simples, como lavar bem as mãos e os alimentos, são capazes de evitar esse problema.
Além de parasitas transmitidos por alimentos mal lavados ou carnes mal cozidas, pôr as mãos sujas na boca também pode passar vírus e bactérias causadores de diarreia, doenças respiratórias e infecções de pele.


Pra que tomar remédio contra verminose?

Os médicos destacaram que as parasitoses podem provocar desnutrição, problemas no desenvolvimento e baixo rendimento escolar. 

Devem ser tomados pelo menos vez ao ano, ou de acordo com a recomendação do médico ou do farmacêutico. Os remédios para vermes, geralmente, são vendidos em dose única, sendo eficazes contra a maior parte dos vermes. Porém, para bebês até 2 anos de idade é tomado em 2 doses.

Quando começar a tomar?

É raro antes dos 6 meses de idade. A doença aparece quando a criança tem mais contato com o ambiente e sai do aleitamento exclusivo. O verme pode estar na fruta por exemplo. 

Aqui em casa, a pediatra receitou (para as 3) após 1 ano de idade. O medicamento não foi dado em dose única. O tratamento começou com 1 frasco de 30ml (2x vezes ao dia (5ml) durante 3 dias), depois de 1 semana mais 1 frasco de 30ml (2x vezes ao dia (5ml) durante 3 dias). Talvez o xixi ou cocô possa ter uma coloração esverdeada durante o tratamento.

A presença de vermes no organismo é maléfica, pois eles podem aumentar de número e infestar órgãos importantes, inclusive o cérebro, onde provocariam alterações importantes no sistema nervoso central. Realizar um exame de fezes anualmente e tomar um remédio para vermes, anual ou semestralmente, de acordo com a ordem médica, pode ser uma boa estratégia para se proteger de complicações das verminoses.

sábado, 21 de novembro de 2015

Bolo de banana Integral

Um bolo que mesmo quando é ruim é bom, sabe?! rs

Eu já fiz umas 4 vezes, e cada vez ficou de um jeito... o primeiro ficou um pouco sovado, outro ficou seco, outro não cresceu muito e um ficou como deve ficar, embora os que não ficaram perfeitos, mesmo assim ficaram gostosos, não sobrou nada!

A receita é simples, rápida e gostosa.

Bolo de Banana Integral
Rende 1 forma média

Ingredientes

4 banana caturras (grandes) maduras
4 ovos
1/2 xícara de óleo (canola)
1/2 xícara de leite
1 xícara de trigo integral
1 xícara de chá de aveia
1 xícara de chá de açúcar mascavo
1 colher (chá) de fermento
canela para salpicar (opcional)

Modo de preparo
Bata 1 banana com os ovos, leite, o açúcar e vá acrescentando os ingredientes secos (farinha de trigo e aveia), esses 2 eu misturo bem com o fermento antes de colocar no liquidificador. Bata bem.
Corte as 3 bananas em rodelas e ponha sobre a massa, salpique com a canela e deixe no forno (pré aquecido) 180 graus por mais ou menos 25 minutos ou até que o palito saia limpo.

Esperem que gostem!